09/08/2014

arrabelle-at-vail-square

Quem disse que os restaurantes em Vail são todos caríssimos?

Esse post vai mostrar que é possível comer bem, sem pagar uma fortuna por isso!

Uma das melhores opções é a Blue Moose. Uma pizzaria deliciosa com vários sabores de pizza no cardápio.
A Blue Moose fica em Lionshead em frente a pista de patinação. O destaque são a Spring pizza (com alcachofra) e a Autumn pizza (com queijo de cabra e azeite trufado).

 

bluemoose

 

O Tavern on the Square é um restaurante lindo e considerado um dos melhores After Ski de Vail. Almoçar ou jantar por lá vale a pena não só pela gastronomia, mas também pelo espaço sempre animado e com boa música.

 

tavern

 

O Los Amigos fica em Vail Village e é um restaurante mexicano dos mais animados da montanha. Muita gente se reúne por ali para o After ski ou mais tarde, para um jantar mais descontraído.

 

los amigos

 

A Vendetta’s é outra pizzaria super bacana, mais chique que a primeira citada, mas ainda assim com preço super justo.

O lugar é grande e ideal para jantar depois de um dia nas pistas de ski.

 

vendettas

 

Para quem gosta de café ou chocolate, vale apena apostar no Yeti’s Grind! Um café pequeno e acolhedor, com uma variedade grande de sabores de cafés, chás e chocolates. Fica em Vail Village.
yetis2

 

Se você procura um After Ski de frente para a montanha, aposte no ChopHouse.
Um restaurante super badalado, com uma varanda grande de frente para a descida da pista de Lionshead.

A dica é pedir Ostras e Champagne.

 

champagne

 

E vocês? Alguma dica de restaurante legal em Vail?

 


24/01/2014

passport-france

 

Não importa quantas vezes você já foi ou se nunca esteve lá.

Por tudo que lemos, ouvimos e assistimos por aí, conhecer o país mais charmoso do mundo, passou a ser sonho de consumo.

Quem já morou lá afirma que não há lugar no mundo mais romântico para viver! É bem provável que nunca acabe a quantidade de lugares lindos para conhecer nesse país, uma vez que cada lugar que visitamos parece outro quando voltamos ou conversamos sobre.

Passar 30 dias na França parece pouco tempo diante de tanta beleza, cultura e historia para conhecer.

A lista abaixo foi elaborada pelo site Hostel Bookers, especializado em hostel e hospedagem mais barata para quem quer ou pode ficar muito tempo descobrindo um só país.

Se você esta de malas prontas para conhecer a França, nao deixe de espiar essa listinha! Voilà


1) Gorges du Verdon

Imagine um rio de águas turquesas atravessando um gigante cânion, rodeado de imponentes falésias de calcário que sediam, em seu topo, campos de lavanda com visual cor de púrpura e suaves aromas. Ok, pode parar de sonhar acordado. Tudo isso e mais fazem do Gorges du Verdon, nos Alpes de Haute-Provence (sudeste da França), um dos mais belos parques regionais franceses.

gorges

 

 

2) Monte Saint-Michel

Icônica paisagem da França, a pequena aldeia de Mont-Saint-Michel fica no topo de uma ilha rochosa. É um dos pontos turísticos mais visitados da Franca, especialmente por causa do fantástico mosteiro classificado como Patrimônio Mundial da UNESCO. Para aproveitar melhor o local, é recomendado informar-se sobre as condições das marés: na maré baixa, pode-se caminhar do continente para a ilha, enquanto que, se as águas sobem, o caminho de areia até o Mont-Saint-Michel é coberto rapidamente.

mon-6

 

 

3) Castelos do Vale do Loire

Um banho de cultura e história da França ao longo do Rio Loire. Pelo menos 20 belos, majestosos e fascinantes “châteaux” (castelos ou palácios) merecem uma visita, além de outros tantos menores “escondidos” em estradas paralelas. Maravilhas arquitetônicas, como os castelos de Chambord, Blois, Villandry, Chenonceau e Amboise, estão à disposição dos visitantes no Vale do Loire, reconhecido como Patrimônio Mundial da UNESCO.

Franca-Vale-do-Loire

 

 

4) Falésias de Étretat

Os belos e misteriosos penhascos que formam as falésias de Étretat, na região da Alta Normandia (norte da França) formam uma das paisagens mais famosas e visitadas do país. Tamanha beleza, aliás, inspirou diversos artistas e escritores no passado – de Monet a Guy de Maupassant, ambos apaixonados pelo Porte d’Aval, o mais famoso dos três penhascos em forma de arco – os outros são Porte d’Amont e o Manneporte. Mesmo a pequena aldeia de Étretat (com cerca de 1.500 moradores) vale uma visita, com seu mercado medieval e as belas mansões e vilas antigas que compõem a inspiradora arquitetura da região.

etretat-normandia-franca

 

 

5) Palácio de Versalhes

O que foi concebido, no século 17, como um modesto pavilhão de caça para Luís XIII, tornou-se um dos mais espetaculares “châteaux” do mundo. A oeste de Paris, o Château de Versailles é parada obrigatória para quem vai à França, graças à toda pompa, luxo e ostentação de seus aposentos. O prédio é espetacular, mas são os excepcionais jardins que ganham destaque especial. Criado por Le Nôtre, contém espaços como o Grand Canal, a Orangerie, o lago da Suíça, a Fonte de Netuno, a fazenda de Maria Antonieta, o Grand Trianon e o Petit Trianon, um mais lindo que o outro, e onde se podem gastar horas e até dias admirando.

versailles_ticket

 

 

6) Cidadela medieval de Carcassonne

A pequena cidade de Carcassonne, a 90km de Toulouse, existe desde o século 1 a.C., então uma cidade romana. Foi transformada em uma fortaleza no século 9 para defender-se contra os espanhóis. Seu espetacular conjunto arquitetônico medieval, cercado por 59 torres e barbacãs, está  inscrito como Patrimônio Mundial da UNESCO. Os destaques são a magnífica Basílica de St. Nazaire (São Nazário) e o Château Comtal (Castelo dos Condes). Foi renovada no século 19, e depois passou a receber visitantes. À noite, os muros da fortaleza iluminam-se e ficam mais belos, dando à cidade um charme único.

Carcassonne-vignes

 

 

7) Ilha de Ré

Na costa oeste da França, uma pequena ilha ligada por uma ponte à cidade de La Rochelle, virou um famoso resort de férias, atraindo celebridades como Johnny Depp e a Princesa Caroline de Mônaco. O lugar é mesmo um charme só, com ruas de pedras, boutiques, restaurantes, belas praias e um porto (La Flotte-en-Ré) repleto de simpáticos cafés e bistrôs. Destaque para Saint-Martin-de-Ré, a aldeia principal da ilha e seu centro administrativo, com seus fortes tombados como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

st-martin-de-re-ile-de-re

 

 

8) Reserva Natural de Camargue

Localizado entre a terra e o mar Mediterrâneo, em Bouches du Rhône, no sul do país, o Parque Regional de Camargue é uma região de rara beleza natural. Trata-se de uma zona úmida de importância internacional, com a maior população de flamingos da Europa. Cavalos selvagens e touros negros que passeiam pelos campos também são marca registrada de Camargue. O labirinto de canais, lagoas, dunas e canaviais é um paraíso para os ornitólogos e amantes da natureza em geral, que podem explorar a área a pé, de bicicleta ou a cavalo.

DSC_0698

 

 

9) Vulcões de Auvergne

Bem-vindo à terra dos vulcões adormecidos, local dominado por montanhas e planaltos, Auvergne (ou Auvérnia), bem no centro da França, é daquelas regiões que desfrutam de uma paisagem única. Lá está o Parque Natural Regional dos Vulcões de Auvergne, o maior do gênero na Europa. O parque é lar de quatro maciços vulcânicos. Os vulcões mais jovens da região (cerca de 8.000 anos) formam a famosa Chaîne des Puys – destaque para o impressionante Puy de Dome. Tem ainda o parque temático Vulcania, que conta tudo sobre os vulcões e outros fenômenos naturais da Terra.

72cab7315b_3

 

 

10) Marais Poitevin

O apelido já diz tudo: a “Veneza verde”. São muitos de canais de água verde, numa área de pântano, espalhados pelas regiões de Pays de la Loire e Poitou-Charentes. A cor verde é característica dos vegetais de álamos, salgueiros e caniços que dão ao Marais Poitevin uma cara única, aliada às vastas fauna e flora locais. É um verdadeiro refúgio para relaxar enquanto se passeia de barco pelos belos canais – há diversos piers para aluguel das pequenas embarcações, conduzidas pelos “gondoleiros”.

Le paradis, marais poitevin

 

 

11) Porto de Honfleur

A pequena cidade portuária de Calvados, na Normandia, tem charme próprio e atrações variadas – a bela Igreja de Sainte-Catherine, com sua arquitetura peculiar em madeira; os museus e a forte expressão artística, com sua escola de arte tendo contribuído para o surgimento do movimento impressionista (nomes como Monet, Courbet e Boudin passaram por lá), etc.. Mas é seu porto que atrai mais visitantes: o “Le Vieux Bassin”, lembra Amsterdam, com suas casas estreitas e coloridas e telhados de ardósia, e é um convite ao romantismo. Um jantar no terraço de um bistrô desfrutando os tradicionais mexilhões da região ficará pra sempre na memória!

Porto_di_Honfleur

 

 

12) Paris e seus monumentos

Como deixar a capital de fora da lista? Ímpossível. Paris respira arte, cultura, história, arquitetura, tradição, romance e beleza. Milhares de monumentos fazem a festa de qualquer visitante: do Museu do Louvre – uma antiga residência real, com sua pirâmide de vidro no pátio – às simbólicas Catedral de Notre-Dame e a Sacré-Coeur,  ao sempre imponente Panteão. Se a Torre Eiffel é o símbolo máximo de Paris, é no bairro de Montmartre que um café no fim de tarde terá um gostinho especial. Termine com um passeio noturno pela Pont des Arts, e irá entender porque Paris é uma das cidades mais visitadas do mundo!

Torre-Eiffel-Autumn-900x1600

 

 


23/08/2013

il pellicano7

 

Dica de restaurante na Toscana

Se você está de mala pronta para curtir o verão na Toscana, vale a pena levar essa dica.

O restaurante fica no Il Pellicano Resort, um hotel lindo, exclusivo e um pouco mais isolado que os outros. É um hotel 5*, com serviços personalizados e uma equipe de primeira.

A Travel & Leisure e Conde Nast frequentemente citam o restaurante e o hotel como um dos melhores do mundo.

 

il_pellicano

 

Como não podia deixar de ser, o restaurante oferece culinária mediterrânea. Ingredientes frescos, carnes finas, frutas e legumes orgânicos. A carta de vinhos é ótima.

Todos os dias eles apresentam um tipo de azeite extra virgem diferente. Os azeites são dos produtores da região, que fazem questão de dar todas as explicações de como foi feita a colheita, sobre o processo e claro, o resultado final.

O Chef Antonio Guida está constantemente desenvolvendo novos pratos e combinações diferentes para saciar os mais exigentes.

 

ilpelicano8

 

Em abril e outubro, o hotel oferece cursos de culinária, onde os hóspedes aprendem os segredos da culinária mediterrânea!

Durante o dia também é servido ali o lendário brunch do Il Pellicano. Maravilhoso!

 

Il_Pellicano2

 

Mas se tiver que escolher apenas uma refeição no local, sugerimos o jantar. Reserve uma mesa à luz de velas no terraço e prepare-se para uma noite inesquecível!

 


12/07/2013

 

sanandres5

 

Um mar com 7 tons de azul. Sim, a Colômbia tem Caribe. E que Caribe.

San Andres fica a 700 quilômetros da costa e consegue reunir tudo que as outras ilhas mais badaladas da região possuem.

Praias lindas, de águas cristalinas e sem ondas, areia branca e alguns coqueiros estrategicamente posicionados. Para quem gosta de mergulho, os recifes de coral estão ali a disposição. E ainda conta com uma vida noturna pra lá de agitada, se você gostar de reggae!

Tudo aqui é mais relax e informal, embora também encontre ótimos hotéis, inclusive redes com sistema all-inclusive. Os melhores hotéis da ilha são os resorts Aquarium e Marazul, da rede Decameron.

 

decameron3 BC

 

O Aquarium fica mais no centro, é indicado para famílias ou grupos de amigos. O Marazul é mais afastado, indicado para casais em lua de mel ou para quem curte um pouco mais de paz e isolamento.

Os habitantes de San Andres são muito hospitaleiros, muitos são descendentes de ingleses e jamaicanos, que conversam numa curiosa mistura de espanhol e inglês. Mas não se preocupem, todos entendem inglês.

A ilha fica mais próxima da Nicarágua e da Costa Rica do que da Colômbia continental e entre elas se estende a terceira maior barreira de corais do mundo!

Isso explica grande variedade de tons de azul e verde que se vê no mar. Os bancos de areia sobre os corais, chamados de cayos, são uma ótima alternativa para ver essa mistura de cores de perto – e com exclusividade de uma praia quase deserta. Um dos passeios mais legais é ir de lancha até os cayos e almoçar a bordo.

 

hoyosoplador

 

Outra grande atração ali é o Hoyo Soplador, um sistema de túneis nas pedras que provoca um efeito de gêiser natural ao receber a água do mar.

 

Não deixe de visitar

Cayo Bolívar

Para quem está a procura de paz e tranquilidade, esta pequena ilha há 1h30m de barco de San Andrés é o destino certo, lá não tem nada, nem restaurantes, nem quiosques, muito menos moradores, apenas o mar e a areia branca, para passar o dia, literalmente, no puro ócio.

La Loma

Fica na parte mais alta da ilha de San Andrés, um bairro pequeno e charmoso. Para quem aprecia a natureza há muitas atividades, como trilhas e cavalgadas. Lá está situada a primeira igreja da ilha, a Iglesia San Bautista, com um mirante maravilhoso.

La Piscinita

Que tal alimentar peixes coloridos enquanto pratica snorkeling? Logo na entrada, o turista recebe um pedaço de pão para os peixinhos. Além disso, tem um bar onde são oferecidos diversos coquetéis típicos da região. Avenida Circunvalar (sudoeste da ilha de San Andrés).

Hoyo Soplador

O orgulho de quem vive na ilha de San Andrés. Lá tem uma fonte termal que é produzida graças à pressão que as ondas do mar fazem nas rochas, o que dá um efeito de sopro quando a água pode atingir até 20 metros de altura.

Parque Regional Johnny Cay

Aqui você poderá ver diversos tipos de animais, como iguanas, tartarugas, lagartixas azuis e aves. Ao todo são 45 mil m², com bares e restaurantes que tocam reggae e servem a típica culinária caribenha!

Playa de San Luis

A mais famosa da ilha de San Andrés. Fica do lado leste em uma área repleta de casas com arquitetura típica caribenha.

Rose Cay (Acuario) y Haynes Cay

Fica a dez minutos de barco de San Andrés, é uma conjunto com duas ilhotas conhecida como “Isla del Amor”. Legal para praticar snorkeling, ou apenas admirar a mistura de cores do mar caribenho. Para ir de Rose Cay até Haynes Cay, é só caminhar pela água, que não passa do joelho.

 

sanandres4

 

ONDE FICAR:

Decameron Aquarium http://www.decameron.co

Decameron Los Delfines http://www.decameron.co

Royal Decameron Marazul http://www.decameron.co

Sunrise Hotel http://www.ghlhoteles.com

 

COMO CHEGAR

Há voos diretos para Bogotá com a Tam e Avianca. Com a Avianca, é possível voar de Bogotá a Cartagena ou diretamente a San Andrés. A Lan e a Taca via Lima, e a Copa Airlines, via Cidade do Panamá, que chega diretamente a Cartagena e San Andrés também são boas opções.

 

ANOTE

Aeroporto: Aeroporto Internacional El Dorado, em Bogotá (BOG), ou Aeroporto Internacional Rafael Núñez, em Cartagena

Capital: Bogotá

Moeda: Peso colombiano (US$ 1 = 1.943 pesos colombianos)

Idioma: Espanhol

Visto: Não é necessário para brasileiros

Vacinas: Febre Amarela. Não é obrigatória, mas recomendada.

Código de telefone: 57

Eletricidade: 110 v

Fuso horário: 02 horas a menos que Brasília

Melhor época para visitar: Temperaturas agradáveis o ano todo. A temporada seca é ideal para aproveitar melhor os passeios, vai de dezembro a março e também nos meses de julho e agosto. Bogotá, pela altitude, é mais fria, com média anual de 14 graus.

Informações turísticas: www.colombia.travel

 


12/06/2013

Uns dizem que se vestir com certa marca seria ostentação, ou até mesmo uma questão de autoafirmação. Eu discordo completamente, pois às vezes portar um objeto de luxo nada tem a ver com querer ou não passar uma imagem aos outros. E assim, tem pessoas que não abrem mão de seus óculos Prada, do seu perfume Dior, da sua bolsa Hermès… e por aí vai! Eu não abro mão de comemorar os bons momentos da vida com uma bela garrafa de champagne.

Não é um exagero dizer que os produtores de champagne criam uma obra-prima em cada garrafa, repleta daquelas borbulhas que sempre nos surpreendem, fazendo cócegas no céu da boca. Afinal, seus lemas são elegância, exclusividade, refinamento e perfeição em cada taça.

Esses pequenos objetos de luxo tem histórias relacionadas à cultura e a história de fundadores que conseguiram eternizar tendências, modelos, gostos e estilo. Essa bebida tão especial e envolvente é fruto da produção que podemos considerar como algo personalizado, sendo minucioso desde a colheita das uvas, processos de vinificação separados por castas, assemblage (mistura dos vinhos bases de cada uva), amadurecimento e envelhecimento do champagne. Naturalmente, todos esses cuidados tem seu preço!

A escolha destes champagnes foi feita com muito carinho. Ela mostra que produtores ainda desconhecidos no nosso mercado também podem fazer garrafas preciosas dessa bebida fantástica e dedico inteiramente esse primeiro post ao dia dos namorados e aos amantes, como eu, dos borbulhantes! Vamos às dicas…

A importadora Chez France traz alguns rótulos da ilustre desconhecida Maison Vollereaux. O Champagne Vollereaux Rosé de Saignée Brut é um champagne com boa estrutura e ao mesmo tempo delicadíssimo, feito somente com as uvas Pinot Noir, tem aromas de morangos frescos, flores e corpo! É um champagne que acompanha bem um sashimi de salmão, um carpaccio de carne ou um frango cozido com cogumelos fresquinhos, tipo Paris!

 

Vollereaux Rose de Saignee

 

O outro que me chamou atenção foi o safrado Vollereaux Brut Cuvée Tradition Millésime 2005, aromas de pão tostado (acredite), brioches, esses aromas provém do tempo de envelhecimento deste champagne e do tempo em contato com leveduras (60 meses), dando maior complexidade à bebida. Ele tem uma cor dourada e borbulhas pequeninas e persistentes, cremoso na boca, é uma bela escolha para os casais apaixonados brindarem. Uma dica de harmonização com esse champagne de respeito pode ser uma cauda de lagosta grelhada ou um linguado cozido ao molho de champagne e ervas.

Esses dois champagnes você encontra no site da Chez France (www.chezfrance.com.br) e ambos abaixo de R$ 200,00. Um belo achado para sua adega!

 

Vollereaux Millesime Brut 2005

 

O próximo champagne tem sotaque brasileiro! É o Champagne Geisse & Dumont Premier Cru, feito em parceria entre a vinícola Geisse (minha queridinha), do sul do Brasil, da região de Pinto Bandeira com a família Dumont, da região de Chigny-les-Roses, em Champagne, na França.

A produção total deste champagne foi de somente 3000 garrafas, sendo que aqui no Brasil, só encontramos metade dela, comercializada pela própria vinícola Geisse (http://www.vinicolageisse.com.br/), mas com representantes por todo país!

Além de ter grande admiração pelo enólogo e querido Mário Geisse, já tive algumas oportunidades de sentar à mesa, comer e degustar alguns vinhos com ele e a oportunidade de provar seu champagne ocorreu no lançamento dele no Rio de Janeiro, no bucólico restaurante Aprazível, que fica em Santa Teresa, bairro super cult e charmoso da cidade maravilhosa. Entre explicações sobre a produção, reencontros de amigos e muitas risadas, está aí mais um grande champagne; elegante, equilibrado, aromas de cítricos como um limão siciliano, flores brancas e nuances de tostado e na boca muita presença e persistência. Em resumo, é um belo Premier Cru – de cerca dos 200 vilarejos de Champagne, apenas 43 têm direito a utilizar a denominação de Premier Cru, que representa altíssima qualidade e localização dos vinhedos.

 

Champagne Geisse & Dumont Premier Cru

 

Depois desse post deu até vontade de ir a Champagne… se alguém se animar, podemos nos encontrar em agosto, no meio dos vinhedos colhendo as uvas que para as próximas obras primas que chegarão ao mercado brasileiro!

Inspiração na vida de vocês sempre… bisous

Lolô Riccobene

… ama vinhos, boa comida e viagens. Se tudo isso for ainda ao som de um bom jazz e com as melhores companhias, tudo fica perfeito.

 

Este post foi elaborado por Lolô Riccobene.


09/12/2010

Lembro de noticiários dizendo que Amy Winehouse passou meses em Santa Lúcia!!

Isso me fez imaginar uma ilha repleta de bares e boates. De fato, há efervescente vida noturna.

A cantora, porém, foi em busca de descanso e beleza. Achou. Santa Lúcia tem, segundo muitos, a vista mais linda do Caribe. E esse terraço natural são os picos Gros Piton e Petit Piton.

Para os casais, essa mistura de verde e mar pode ser o cenário perfeito para a lua de mel dos sonhos.

“As montanhas abruptas e o mar, ter isso todos os dias é uma bênção.” Palavras do escritor santa-lucense Derek Walcott, prêmio Nobel de 1992.

Além da natureza exuberante, a ilha é famosa pela charmosa capital Castries e alguns dos melhores hotéis do planeta. Um brinde à escolha de Amy!

Mais de um terço dos moradores de Santa Lúcia — eles dizem “Saint Lútia” — mora na capital, Castries. Ela foi construída numa ilha com vulcões aposentados, que não tem nada de inativa e foi feita para circular a pé.

Tudo fica próximo: o Centro, as mansões, o comércio de luxo e o animado mercado público.

Quem precisa de carro? Para rumar para as praias próximas foi criada uma prática solução caseira: as lanchas-táxi.

Uma das principais atrações da capital é sem dúvida a mescla das influências britânicas e francesas. A Catedral Imaculada Conceição na Bourbon Street faz parte da influencia inglesa e de quebra, fica na praça mais bonita da cidade, a Derek Walcott.

Uma pesquisa da revista Condé Nast Traveler, perguntou aos leitores qual seria o melhor hotel do mundo.

O vencedor foi o Ladera Resort, nas cercanias de Soufrière. Só tem 25 suítes, entre a mata e o mar.

Por ali também fica a pousada Anse Chastanet, e a Jade Mountain Resort, outra encantadora hospedagem. E é fácil entender porque este trecho reúne os hotéis mais caros, eles estão próximos à maior atração da ilha: os picos Piton — onde ficam os terraços para curtir o pôr-do-sol.

Gros Pitton e Petit Piton são montanhas de origem vulcânica que a natureza construiu lado a lado, como súbita interrupção na paisagem litorânea.

Eles têm quase a mesma altura, 798 metros e 750 metros respectivamente, e a mesma idade: 40 milhões de anos. Vê-los à beira-mar já é lindo o bastante. Mas nem de longe esse prazer se assemelha a subir ao cume, de onde vemos toda a extensão da ilha.

Os dois picos são ligados por um entremeio, o Piton Mitan.

Rodney Bay é a principal área turística de St. Lucia, onde ficam as melhores lojas, bares, restaurantes e entretenimento da ilha. A praia mais legal é Reduit Beach.

Fica há 15 minutos de carro de Castries, dá para alugar cadeiras e guarda-sóis e esperar por um serviço eficientíssimo.

Não é por acaso que os cruzeiro fundeiam ao largo de Rodney Bay. Essa baía, não bastasse, fica bem próxima a Ilha Pigeon, um antigo escaninho de piratas, que guardou memórias da época.

Para os casais em lua mel, a Rede Sandals conta com três resorts all inclusive na ilha:

Sandals Regency La Toc

Sandals Halcyon Beach

Sandals Grande St Lucian

 

 

O que você deve saber:

• Nas proximidades de Soufrière, há águas sulfurosas, graças ao Vulcão Qualibou.

• A moeda local, o dólar caribenho ocidental, é só uma das estranhices da ilha. Outra delas é o idioma Kwéyól, o segundo mais falado. Mas comunicar-se em inglês, francês e até em espanhol não é problema.

• Embora as pousadas mais caras estejam na área de Soufrière, a rede de resorts, fica entre Castries e Rodney Bay.

• Um programa legal é cavalgar em Marquis Bay, onde está a maior propriedade de Santa Lúcia.

• Nas noites de sextas-feiras, em Islete Gros, os moradores promovem festas com música caribenha e muita salsa.

• Existem diversas casas noturnas animadas na ilha: The Lime, BackDoor&Indies, Café Panache e Annex, entre outras.

Como Chegar:

Há vôos via Estados Unidos, voando Delta Airlines ou American Airlines, lembrando da necessidade do visto americano.

Não Perca: 

– Visite a ilha toda de bicicleta , existem opções para ciclistas iniciantes e também para os mais experientes.

– Observação de baleias e tartarugas: são aproximadamente 20 espécies de baleias que visitam a ilha ao longo do ano e as tartarugas são abundantes na ilha, devido à proteção ambiental local.

Compras:

Pointe Seraphine, zona livre de impostos, com várias lojas de perfumes, cristais, jóias, e roupas, assim como artesanato local (trabalho em madeira).

La Place Carenage, em Castries, e J.Q. Mall, em Rodney Bay, também são áreas livres de impostos.

– Artesanato: Casa Caribelle, aprecie os artesãos fazendo tapetes estampados e pinturas enquanto faz as compras na boutique exótica do local.

– Na Rede Sandals, o mergulho está incluído, porém os passageiros terão que portar o certificado de mergulho internacional. Terão a estrutura da PADI localizada no hotel, com equipamento necessário e instrutores diariamente (exceto no dia da chegada e da saída por conta da pressurização do avião).

Anote

Aeroporto: Aeroporto Internacional de Hewanorra, em Vieux (UVF)

Capital: Castries

Moeda: Dólar caribenho oriental (1 dólar americano equivale a 2.70 dólares caribenhos orientais)

Idioma: Inglês

Visto: Sim, o visto americano, devido à conexão nos Estados Unidos

Vacinas: Febre amarela

Código de telefone: 1 758

Eletricidade: 220V

Melhor época para viajar: Temperatura média anual de 22 a 29ºC, sendo que no segundo semestre pode haver a visita de furacões. A época de chuvas vai de maio a agosto.

Fonte: Drift; Viajando a Dois; St. Lucia Tourist Board.


09/08/2010

O nome é uma abreviação. Oficialmente, St. Barth’s chama-se Saint-Barthélemy.

A ilha também é pequena, são 32 praias fechadas, cercando uma ilha árida. Mas, nesse lugar — francês até a última gota de perfume —, cabe todo o requinte do planeta.

Basta chegar ao porto de Gustavia (a única cidade de St. Barth´s) e observar iates de cinco andares. A ilha não ostenta palacetes, dizem os nativos que seria um crime contra a elegância.

Já tínhamos escutado falar que St. Barth’s ou ainda St. Barts não atrai só magnatas com casas de veraneio. Hoje, também tem hotéis pequenos e exclusivos, como o nome e o destino da ilha. Para muitos, tornou-se a ilha mais exclusiva do Caribe.

O ponto ideal para admirar a enseada do porto chama-se Carl Gustaf. Este também é o nome do hotel erguido numa encosta, na altura exata para ver o pôr-do-sol no terraço.

Ao ar livre, no próprio terraço funciona um piano-bar. Se puderem, jantem no restaurante do hotel. A culinária é o fino do fino, pratos divinos e serviço exclusivo. Caso sua conta corrente seja ainda mais polpuda, hospede-se em um dos 12 bangalôs.

Todos têm piscina privativa na encosta, com vista para um conto de fadas. Os casamentos a tardinha são tão românticos que até quem já casou numa praia, fica com vontade de um revival. É lindo!

Se vocês são o tipo de casal que se interessa por culinária, estão no lugar certo. A cozinha é francesa. Longe de serem pratos servidos com porções pequenas, aqui é tudo muito bem servido e com requinte. E ninguém chega a reclamar desse fato, claro.

Mas a culinária local não se resume a foie gras, coq au vin e demais clássicos.

Minha dica é entrar no MAYA’S ou se acomodar no terraço à beira-mar do restaurante. É imperdível. A ilha também apresenta a cozinha asiática no Eddy’s e thai-japonesa no Baz.

Come-se bem em St. Barts. Muitíssimo bem.

Quem está a procura de sossego e bom serviço, optou pelo lugar certo.

Os hotéis estão muito bem localizados e contam com serviço exclusivo para casais em lua de mel. A maioria fica na Baie Saint-Jean.

São duas praias divididas por um acidente geográfico de nome emblemático: a Pedra do Eden.

Ali brilham as areias mais visitadas da ilha, sem ofender o sossego. Lá tem restaurantes e barzinhos na medida exata — como quase tudo em St. Barts. Estão a passos da sua comodidade, mas primam pela discrição. E sem música alta, évidemment.

Das 32 praias de St. Barts, apenas uma não tem acesso fácil. Quanto às outras, basta estacionar o carro.

E obviamente a praia que exige maior esforço para ser aproveitada também é considerada a mais bonita. A praia é a Colombier.

Tem areias imaculadas, rochas enormes e mar transparente. Pegue uma das diversas trilhas de 30 minutos que levam a esse lugar espetacular. Vale a visita. Mas para quem prefere a comodidade, barcos zarpam diretamente para Colombier, a partir do porto de Gustavia.

Há praias para aproveitar o sol em pontos mais isolados. Tanto ao sul quanto no norte. Ao sul, estão Lorient, Marigot e Grand Cul de Sac. Ao norte Grand Saline e Gouverneur. Para chegar a Gouverneur, siga em direção a Lurin. A estrada não é lá essas coisas, mas a praia compensa – com palmeiras e a visão das ilhas mais próximas.

Uma lenda conta que um pirata do século 17, Montbars, o Exterminador, escondeu um tesouro, não encontrado até hoje.

Dicas:

Alugar um carro não custa uma fortuna e é imprescindível para conhecer a ilha. A moda entre os turistas mais descolados é alugar um mini-cooper.

Se quiser economizar nas refeições, basta ir a La Rôtisserie ou ao Maya’s to go. As lojas vendem queijos, vinhos, patês. Ninguém achará estranho se você fizer um piquenique. Muitos casais fazem disso uma comemoração.

O idioma francês predomina, mas nos hotéis, restaurantes e lojas, o inglês é falado pelos ilhéus.

GUIA ESPERTO

Como chegar

A forma mais rápida é via St. Maarten (está a 10 min. de voo), sendo essencial dormir na lha uma noite na ida e outra na volta. É necessário o visto americano, devido à conexão nos Estados Unidos. Também existem Ferrys que saem dos portos de St. Maarten (Oyster Pond Port) e St. Martin (Marigot Port) com tempo de percurso de 1h 30m.

Onde Comer

MAYA’S, Public, Tel: 590 590 277-573 – www.st-barths.com/mayas

Eddy’s, Rue Samuel Fahlberg, em Gustavia, Tel: 590 590 275-417

Baz, Porto de Gustavia, Tel: 590 590 297-409 – www.st-barths.com/baz/

L’Isola, Rue du Roi Oscar II – www.lisolastbarth.com

Restaurante do Hotel Le Sereno, Cul de Sac www.lesereno.com

Do Brazil, Shell Beach, Gustavia www.dobrazil.com

La Rôtisserie (para o pic-nic na praia), Praia de St. Jean

Maya’s to go, St. Jean – www.st-barths.com/mayas-to-go

Comprar

As marcas famosas estão na Carré d’Or, em Gustavia e na Villa Créole, em St. Jean.

Para curtir a noite

Yacht Club

Eden Rock    www.edenrock.com

Nikki Beach     www.nikkibeach.com/stbarths

Le Ti St-Barth

Onde ficar

Le Village St. Jean (não é pé na areia), Colline de St. Jean    www.villagestjeanhotel.com

Eden Rock Hotel     www.edenrockhotel.com

Hotel Guanahani & Spa      www.leguanahani.com

Anote

Aeroporto: Aeroporto Gustaf III

Capital: Gustavia

Moeda: Euro, mas o dólar também é aceito

Idioma: Francês e o inglês também é falado fluentemente

Visto: Sim, o visto americano devido à conexão nos Estados Unidos

Vacinas: Febre amarela

Eletricidade: 220V

Fuso horário: 01 hora a menos que Brasília

Melhor época para visitar: Todo o ano. De setembro a maio a média é de 24 ºC e de junho a agosto a média é de 28ºC, lembrando que em setembro e outubro existe o risco de furacões.


06/08/2010

Tal como acontece em Las Vegas, é muito fácil se casar nas Bahamas.

A rigor, basta o passaporte e cerca de US$ 150. O padre e a igreja são ecumênicos. O astral é altamente propenso ao romance. Já chegamos lá apaixonados e ficamos mais ainda ao conhecer algumas das 32 ilhas habitadas.

Apenas duas ilhas reúnem a maioria dos visitantes: New Providence (Nassau) e Grand Bahama.

O turismo e os bancos sigilosos garantem a economia de um lugar ótimo para mergulhar, nadar, velejar, curtir e namorar. E até casar.

Claro que as praias são indispensáveis, mas vale muito fazer o tour que começa na Christ Church Cathedral (interior espetacular e vitrais idem), passar pelos prédios cor de rosa da Parliament Square, avançar pela antiga cadeia (hoje, biblioteca) e terminar na residência do governador-geral.

A essência caribenha e inglesa ainda se mantém apegada aos hábitos britânicos.

Duas pontes, por exemplo, unem Nassau a Paradise Island. Em Nassau, é interessante ver os coloridos mercados da Bay Street, as lojas duty free e o penteado das mulheres.

Os cruzeiro costumam ancorar em Freeport, em Grand Bahama, em virtude não só das praias mas, também, do International Bazaar. International Bazaar é um shopping gigantesco, temático, dividido em seções com produtos de diferentes partes do mundo e com preço bastante convidativo. Outra atração é caminhar pelas largas avenidas e sair em Port Lacaya.

Tem de tudo lá: hotéis extraordinários, cassinos e, o melhor, bares pertinho das marinas e do charmoso iate clube. O lindo canal interno que separa a região da ilha também faz de Freeport um lugar que vale constar no roteiro.

No Monte Alvernia, o ponto mais alto de Cat Island, existe um mosteiro todo em pedra. Cat Island é, ainda, o lugar onde os nativos praticam o Obeah, um ritual de magia. Até hoje muitos casais americanos procuram o lugar para “absorver” um pouco da magia local.

Little Bahamas Banks é o ponto certo para quem procura águas rasas, com uma visibilidade absurda e mar tranqüilo. Também é lugar de diversão. Basta pegar um barco e seguir rumo a região dos golfinhos.

É quase impossível determinar o número desses cetáceos, são muito, nadam livremente e não se assustam com nada. Em alguns dias, a colônia é ainda maior. Seja como for, sempre haverá golfinhos amistosos. Dá para nadar ao lado deles, interagir, e brincar.

Andros – a maior ilha das Bahamas é desabitada. Mas isso não quer dizer que você não deve se hospedar por lá. Meus amigos mergulhadores não querem outra vida. Fica lá o mais antigo resort de mergulho do arquipélago, o Small Hope Bay Lodge. É lá que ficam as mais extensas barreiras de corais do mundo e os 50 “buracos azuis”. Indispensável, mesmo para quem não pratica mergulho com cilindros. Se você adora fazer snorkeling, pescar, ou apenas admirar uma linda paisagem, não deixe de visitar.

Outra dica imperdível é se hospedar ou visitar o Hotel Atlantis. Muito consideram a Disneylândia aquática! Sim, o lugar é demais. Um hotel enorme, com milhares atrações aquáticas num clima de muito astral. Vale apena ver os vídeos com as atividades. http://www.atlantis.com/

Curiosidades:

As estatísticas apontam que Bahamas têm mais de 310 dias de sol ao ano!

Todos os grandes hotéis oferecem saídas para mergulho. A mais radical delas é promovida pela Stuart Cove. Você desce a 15 metros de profundidade numa espécie de bike aquática onde sua cabeça fica coberta e seca (claro!), é bem parecido com uma bolha. A “bolha” ou cúpula, é grande o suficiente para a sua cabeça e até suas mãos. Isso também significa que você respira normalmente sem a necessidade do uso de tubos de snorkel ou reguladores, como você faria se estivesse mergulhando. Lá embaixo você vai vislumbrar recifes de coral, peixes coloridos, e sim, diversos tubarões. Eles são alimentados na nossa frente por um funcionário da Stuart. Mas o mergulho é seguro — e vale para contar aos netos um dia.

Para saber se uma loja é duty free, procure pelo selo DFS. Você consegue descontos de 25% a 50% em relação aos preços nos EUA. Perfumes, cristais, roupa de couro, jóias, roupas de cama, mesa e banho, relógios, equipamentos fotográficos, porcelana, etc, são itens isentos de impostos.

Os frutos do mar são a base da dieta bahamense. O conc é um tipo grande de molusco oceânico que possui carne branca, firme, desfiada. Uma delícia!

A “Festa do Caranguejo” acontece nas noites de sexta no The Churchill Garden Bar, ao lado do International Bazaar. Começa às 18h30, e é bom chegar cedo para não perder nada.

COMO CHEGAR

Não há voo direto. As companhias aéreas com melhores conexões são: Delta Airlines e American Airlines, via Estados Unidos, lembrando da necessidade do visto americano.

NASSAU

Visitar

Escadaria de Rainha, Avenida Elizabeth na altura da Shirley Street. Visita obrigatória em Nassau.

Mergulhar

Stuart Cove’s – www.stuartcove.com

Compras

Bahama Craft Centre (Artesanatos), Paradise Island, em frente à Hurricane Hole Plaza

Festival Place (Artesanatos), Prince George Wharf (cais), Bay Street, Nassau.

GRAND BAHAMA

Visitar

Parque Nacional Lucaio, possui um dos maiores sistemas de cavernas calcárias, submarinas do mundo, mangues e uma praia magnífica.

Trilha Heritage (8 km), uma das principais trilhas da ilha, de trajeto fácil, visitando as ruínas do “The Hermitage”.

Compras

International Bazaar

Fragrance of The Bahamas, Freeport www.perfumefactory.com

Opções de hospedagem para sua viagem a dois:

British Colonial Hilton Nassau

Paradise Island Harbour Resort

Sandals Royal Bahamian Spa Resort & Offshore Island

Wyndham Nassau Resort & Crystal Palace Casino

Anote

Aeroporto: São 3 aeroportos internacionais, mas o principal é o de Nassau/Paradise Island, Grand Bahama e Exuma

Capital: Nassau

Moeda: Dólar bahamense (B$) e equivale ao dólar americano, que também é aceito como moeda

Idioma: Inglês

Visto: Não é necessário, mas o visto americano é indispensável para quem voa via EUA

Vacinas: Febre amarela

Código de telefone: 1 242

Melhor época para visitar: A média anual é de 27 graus, lembrando que de agosto a novembro existe o risco de furacões


01/07/2010

Criada em 1957, a empresa Grandes Etapes Françaises é um grupo hoteleiro familiar, composto por 10 Castelos-Hotéis e Residências de charme, no coração das mais bonitas regiões turísticas francesas.

Todos os estalebecimentos oferecem a mesma qualidade de serviços, preservando um caráter único conferido pelo seu patrimonio arquitetônico, histórico e cultural.

Se destacam pela qualidade de acolhimento e o serviço cuidadoso reservado aos hópedes franceses e estrangeiros.

Na área externa os grandes parques e jardins são lugares de calma e repouso. Alguns também oferecem spas.

Na aérea interna, dispõem de salões para recepção, cerimônias, casamentos e banquetes.

Os quartos, todos personalizados, respeitam o caráter histórico do local e oferecem ao mesmo tempo todo o conforto moderno.

Viajando a Dois destaca agora os 10 Castelos-Hotéis mais encantadores da França:

Chateau D´Esclimont

É no meio de um parque com 60 hectares que você descobre o Castelo de Esclimont, uma verdadeira jóia da arquitetura renascentista.

O antigo palácio da família La Rochefoucauld conta com 53 quartos decorados com toda a pompa dos castelos do século XVI.

É uma paragem romântica a menos de uma hora de Paris, entre Versalhes e Chartres.

Uma opção interessante para passar uma noite romântica em meio a natureza local.

Chateau D´Artigny


No vale do rio Indre, avistamos ao longe as pedras brancas do majestoso Castelo de Artigny.

São vinte e cinco hectares de parque, um elegante jardim à francesa (de formas geométricas e simetria perfeita), mármores e madeiramentos frescos em trompe l´oeil.

O castelo, construído pelo célebre perfumista François Coty, tem 63 quartos, fica a 10 km de Tours e aproximadamente 230km de Paris.

As desgustações de vinho costumam chamar atenção dos hóspedes que apreciam o sabor dos vinhos regionais.

Domaine de Beauvois

Situado a oeste da ciadade de Tours, esse lindo solar dos séculos XVI e XVII encontra-se no meio de um parque arborizado em frente ao lago Briffaut.

Um hotel charmoso com conforto requintado. No verão, você poderá apreciar uma cozinha saborosa servida no terraço ou ao ar livre.

Domaine de Beauvois encanta por ser um castelo-hotel menor, com apenas 32 charmosos quartos, pela sensação de aconchego e clima propício para o romance.

Le Choiseul

Le Choiseul é um conjunto de três lindas residências do século XVIII: a Maison de l’Ermite (a casa do Eremita), em que os quartos tem vista para jardins de estilo italiano, a Maison de Duc (casa do Duque) com recepção, bar e restaurante, e a Maison de l’Apothicaire (casa do Farmacêutico), cujos quartos estão voltados para o Vale do Loire.

São apenas 32 quartos.

É o lugar ideal para quem quer visitar os castelos da região do Loire, desgutar uma cozinha requintada e vinhos renomados.

Le Prieure

Esta exuberante residência dos oferece 21 quartos tradicionais e 15 quartos no estilo campestre em residências no parque.

Os salões e as salas de jantar têm aquela vista linda para o Vale do Loire.

A equipe do castelo é muito dedicada e cuidadosa com os hópedes sempre convidando-os para desfrutar dos salões, casas de jantar, terraços para relaxar e os prazeres da gastronomia.

Le Mas D´artigny & Spa

No alto de uma colina voltada para o mar Mediterrâneo, pertinho de Nice, o castelo fica de frente para as muralhas da vila medieval Saint Paul de Vence.

A enorme propriedade conta com 85 quartos e um Spa maravilhoso.

Um verdadeiro oásis de natureza com as cores e perfumes da Provence.

Chateau De Divonne

A cerca de 15 minutos de Genebra, esta elegante residência oferece uma vista excepcional para os Alpes e o Mont Blanc.

A dois passos do Cassino e do campo de golfe, é uma parada sensacional para repousar e curtir a gastronomia local. Um lugar onde beleza e relaxamento se conjugam perfeitamente.

Chateau de Gilly

No coração da Borgonha, você não resistirá ao charme do Chateau de Gilly, que foi por muito anos a morada dos abades de Cîteaux.

É lindo ver como preservaram a antiga adega com abóbada de ogivas cruzadas e o seu jardim de estilo francês que une conforto, serenidade, tradição e a gastronomia.

Amplas salas de recepção com pedra bruta, mas também a refinada decoração do Século XVII, fazem dessa parada uma ótima oportunidade para viver um pouco da atmosfera de Borgonha.

Chateau D´Isenbourg

O Castelo D`isenbourg é uma elegante construção rodeada por jardins floridos.

De um lado a floresta dos Vosgos e do outro os vilarejos e seus vinhedos.

Está sempre presente nos roteiros gastronômicos e na rota dos vinhos da Alsácia.

Chateau De L´ile

Situado na cidade de Estrasbourg, esse é um dos castelos mais românticos da França.

Sua arquitetura alsaciana é tradicional, com pombais, varandas floridas e terraços junto ao rio.

Ao mesmo tempo, é moderno, conta com climatização, piscina coberta e Spa.

Fonte: Françatur; Drift Turismo; http://www.grandesetapes.fr

21/06/2010

Barbados é a mais britânica das ilhas do Caribe.

Suas construções vitorianas, organização impecável e resorts requintados traduzem o charme local. O cenário é encantador: praias de água mansa e uma cor que ilha nenhuma mais possui.

Bridgetown é a capital. Fica na costa oeste da ilha e tem suas águas protegidas.

É praticamente um mar com a serenidade de um guarda do Palácio de Buckingham. Algumas mansões coloniais continuam intactas por ali. Hoje, além delas, os resorts exclusivos.

A população cultiva hábitos britânicos, como o cricket e a mão-inglesa. O povo é animado, descontraído, a música que embala a ilha é o calipso — trazido da ilha de Trinidad, bem próxima.

O centro é tão britânico que parece estarmos andando em plena Oxford Street no verão. Por esse motivo os jardins são irrepreensíveis.

As destilarias de rum valem a visita. Uma das mais interessantes é a fabrica da Mount Bay, ao norte da ilha. Há quem prefira juntar praia e rum (o que não é de todo mau).

Em Malibu, praia idílica, é produzido o lícor do mesmo nome e os guias fazem questão de nos mostrar que tem origem singular. Reza a lenda de que um coco teria caído num barril de rum!

Do outro lado da ilha, pagam-se cerca de 20 dólares para entrar em Sandy Beach.

O preço inclui cadeiras de praia, cama elástica dentro da água e uma das baías mais aliciantes de Barbados. Os abonados que se hospedam no resort Sandy Lane (que já hospedou a rainha Elizabeth II), já começam a ter uma idéia de onde estão quando são recebidos pelo veículo que vai buscá-lo no aeroporto, um Rolls-Royce. Um campo de golfe, jantares de alta gastronomia também fazem parte da elegância do resort e a noite termina com bailes no Starlight Terrace, sob a luz das estrelas. Tudo muito britânico!

Mas existe uma vantagem em Barbados, enquanto os resorts de extrema elegância, com diárias a preços exorbitantes encantam por sua magnitude, as hospedagens mais acessíveis são charmosas e confortáveis. É o caso do Crystal Cove Hotel.

Existe um castelo que é museu e hotel. O belo e grandioso Castelo de Sam Lord foi construído em 1820 e tornou-se um museu sobre a colonização britânica.

Os amantes da natureza e das flores, não podem perder o Andromeda. Um jardim botânico bem original. Tem piscinas, cascatas, restaurantes e jardins belíssimos. O ponto forte é orquidário, com muitas espécies diferentes.

Uma dica para quem for almoçar por lá. Peça para que manerem na pimenta!!! Os pratos tradicionais são: frango temperado, arroz com ervilhas e angu. O símbolo da ilha é também um prato: o flying fish. Camarões e lagostas também são de ótima qualidade.

Para quem gosta de aventura pode escolher um dia para navegar nos catamarans e chegar a Paynes Bay. Lá vocês podem nadar entre tartarugas e arraias. Um ótimo passeio pra quem quiser passar um dia diferente na ilha.

Uma das melhores vistas da ilha é proporcionada pela Igreja de St. John que fica à beira de um precipício. Mas a própria igreja já vale a visita.

A Sunbury Plantation House é sede de uma antiga fazenda de cana de açúcar do século 17. Hoje, é um museu com uma coleção de carros e máquinas fotográficas d’antanho.

Para os casais que estão em busca de sol e mar sem perder a elegância e o conforto podem apostar em Barbados!


Página 1 de 11