09/12/2010

Lembro de noticiários dizendo que Amy Winehouse passou meses em Santa Lúcia!!

Isso me fez imaginar uma ilha repleta de bares e boates. De fato, há efervescente vida noturna.

A cantora, porém, foi em busca de descanso e beleza. Achou. Santa Lúcia tem, segundo muitos, a vista mais linda do Caribe. E esse terraço natural são os picos Gros Piton e Petit Piton.

Para os casais, essa mistura de verde e mar pode ser o cenário perfeito para a lua de mel dos sonhos.

“As montanhas abruptas e o mar, ter isso todos os dias é uma bênção.” Palavras do escritor santa-lucense Derek Walcott, prêmio Nobel de 1992.

Além da natureza exuberante, a ilha é famosa pela charmosa capital Castries e alguns dos melhores hotéis do planeta. Um brinde à escolha de Amy!

Mais de um terço dos moradores de Santa Lúcia — eles dizem “Saint Lútia” — mora na capital, Castries. Ela foi construída numa ilha com vulcões aposentados, que não tem nada de inativa e foi feita para circular a pé.

Tudo fica próximo: o Centro, as mansões, o comércio de luxo e o animado mercado público.

Quem precisa de carro? Para rumar para as praias próximas foi criada uma prática solução caseira: as lanchas-táxi.

Uma das principais atrações da capital é sem dúvida a mescla das influências britânicas e francesas. A Catedral Imaculada Conceição na Bourbon Street faz parte da influencia inglesa e de quebra, fica na praça mais bonita da cidade, a Derek Walcott.

Uma pesquisa da revista Condé Nast Traveler, perguntou aos leitores qual seria o melhor hotel do mundo.

O vencedor foi o Ladera Resort, nas cercanias de Soufrière. Só tem 25 suítes, entre a mata e o mar.

Por ali também fica a pousada Anse Chastanet, e a Jade Mountain Resort, outra encantadora hospedagem. E é fácil entender porque este trecho reúne os hotéis mais caros, eles estão próximos à maior atração da ilha: os picos Piton — onde ficam os terraços para curtir o pôr-do-sol.

Gros Pitton e Petit Piton são montanhas de origem vulcânica que a natureza construiu lado a lado, como súbita interrupção na paisagem litorânea.

Eles têm quase a mesma altura, 798 metros e 750 metros respectivamente, e a mesma idade: 40 milhões de anos. Vê-los à beira-mar já é lindo o bastante. Mas nem de longe esse prazer se assemelha a subir ao cume, de onde vemos toda a extensão da ilha.

Os dois picos são ligados por um entremeio, o Piton Mitan.

Rodney Bay é a principal área turística de St. Lucia, onde ficam as melhores lojas, bares, restaurantes e entretenimento da ilha. A praia mais legal é Reduit Beach.

Fica há 15 minutos de carro de Castries, dá para alugar cadeiras e guarda-sóis e esperar por um serviço eficientíssimo.

Não é por acaso que os cruzeiro fundeiam ao largo de Rodney Bay. Essa baía, não bastasse, fica bem próxima a Ilha Pigeon, um antigo escaninho de piratas, que guardou memórias da época.

Para os casais em lua mel, a Rede Sandals conta com três resorts all inclusive na ilha:

Sandals Regency La Toc

Sandals Halcyon Beach

Sandals Grande St Lucian

 

 

O que você deve saber:

• Nas proximidades de Soufrière, há águas sulfurosas, graças ao Vulcão Qualibou.

• A moeda local, o dólar caribenho ocidental, é só uma das estranhices da ilha. Outra delas é o idioma Kwéyól, o segundo mais falado. Mas comunicar-se em inglês, francês e até em espanhol não é problema.

• Embora as pousadas mais caras estejam na área de Soufrière, a rede de resorts, fica entre Castries e Rodney Bay.

• Um programa legal é cavalgar em Marquis Bay, onde está a maior propriedade de Santa Lúcia.

• Nas noites de sextas-feiras, em Islete Gros, os moradores promovem festas com música caribenha e muita salsa.

• Existem diversas casas noturnas animadas na ilha: The Lime, BackDoor&Indies, Café Panache e Annex, entre outras.

Como Chegar:

Há vôos via Estados Unidos, voando Delta Airlines ou American Airlines, lembrando da necessidade do visto americano.

Não Perca: 

– Visite a ilha toda de bicicleta , existem opções para ciclistas iniciantes e também para os mais experientes.

– Observação de baleias e tartarugas: são aproximadamente 20 espécies de baleias que visitam a ilha ao longo do ano e as tartarugas são abundantes na ilha, devido à proteção ambiental local.

Compras:

Pointe Seraphine, zona livre de impostos, com várias lojas de perfumes, cristais, jóias, e roupas, assim como artesanato local (trabalho em madeira).

La Place Carenage, em Castries, e J.Q. Mall, em Rodney Bay, também são áreas livres de impostos.

– Artesanato: Casa Caribelle, aprecie os artesãos fazendo tapetes estampados e pinturas enquanto faz as compras na boutique exótica do local.

– Na Rede Sandals, o mergulho está incluído, porém os passageiros terão que portar o certificado de mergulho internacional. Terão a estrutura da PADI localizada no hotel, com equipamento necessário e instrutores diariamente (exceto no dia da chegada e da saída por conta da pressurização do avião).

Anote

Aeroporto: Aeroporto Internacional de Hewanorra, em Vieux (UVF)

Capital: Castries

Moeda: Dólar caribenho oriental (1 dólar americano equivale a 2.70 dólares caribenhos orientais)

Idioma: Inglês

Visto: Sim, o visto americano, devido à conexão nos Estados Unidos

Vacinas: Febre amarela

Código de telefone: 1 758

Eletricidade: 220V

Melhor época para viajar: Temperatura média anual de 22 a 29ºC, sendo que no segundo semestre pode haver a visita de furacões. A época de chuvas vai de maio a agosto.

Fonte: Drift; Viajando a Dois; St. Lucia Tourist Board.


26/10/2010

Sempre fui fascinada por destinos exóticos, culturas diferentes e lugares com paisagens de tirar o fôlego. A Indonésia estava na minha wish list há algum tempo.

Bali é uma das 13 mil ilhas da Indonésia e a província desse país. Faz parte das Pequenas Ilhas de Sonda e fica entre as ilhas de Java e Lombok.

Dempassar é a capital, conhecida por suas manifestações culturais, como a dança, a escultura, a pintura, o trabalho em couro e metais e a música.

Confesso que depois de ler o livro e ver o filme Comer, Rezar e Amar, fiquei mais fascinada ainda.

O local é um paraíso natural e o contato com a natureza nos deixa mais propensos ao amor, seja por quem está ao nosso lado, ou por amor a si próprio. Em Bali, praticamente tudo nos remete ao romance: a hospedagem, a população (sempre alegre e simpática), a culinária, e a beleza da ilha.

Para quem gosta de mergulho ou surf, Bali consegue aliar bons mergulhos com atividades também fora d´água. A felicidade dos surfistas que chegam a Bali é contagiante!

O lado confuso da ilha se dá pelo transporte público precário e trânsito caótico – não só pela mão inglesa, mas pelas milhares de motos que não respeitam qualquer sinalização.

Eu recomendo a utilização de uma agência de viagem ou um guia local para fazer os passeios com mais tranqüilidade.

Andar de táxi apenas do hotel para a vila de Kuta para fazer compras. Dessa forma os dias em Bali serão muito mais produtivos!

Não deixem de conhecer alguns templos, onde se aprende muito sobre a cultura local. É praticamente uma aula sobre arte e arquitetura.

Sugiro os templos Tanah Lot, Uluwatu, o templo de Sangeh (ao lado da floresta dos macacos) e o templo de Besakih – o templo mãe, o maior de todos, aos pés do vulcão Agung.

Quando visitarem o templo de Sangeh não deixem de visitar a Floresta dos Macacos. Lá, centenas de macacos convivem pacificamente com os turistas.

Eles ficam em todos os lugares, sempre a espera de uma fruta ou amendoim. Se você for com objetos soltos, como boné, óculos ou jóias, tenha cuidado com uma aproximação maior! Apesar de serem amigáveis, eles adoram toda e qualquer novidade.

Assistir uma dança é outra sugestão a se considerar. Não se trata de qualquer dança, é praticamente um espetáculo.

Eles combinam boa música, coreografia e um belíssimo figurino. A dança do Barong é a mais procurada e é apresentada em diferentes lugares.

Visitar a vila dos artesãos também não pode ficar fora do roteiro. A ilha reúne um grande número de artesãos em vilas.

Na vila de Ubud ficam os pintores. A vila de Celuk é a vila dos artesãos que trabalham com prata. Os mais procurados são os artesãos que fazem esculturas em madeira. Cada uma mais impressionante que a outra.

Para conhecer bem a ilha, o ideal é fazer paradas estratégicas. A ilha é grande e a distância entre os pontos turísticos é enorme.

Aproveitem para conhecer um dos mercados de frutas e uma plantação de arroz – são milhares espalhadas pela ilha. Em outra ocasião não deixem de almoçar com a bela vista do vulcão e o lago Batur ao fundo ou pegar carona num elefante em Bakas.

É difícil expressar com clareza a real beleza de Bali, mas passar uns dias na ilha é o suficiente para chegarmos a conclusão que estar em Bali é como viver uma nova experiência de vida – a céu aberto!

Como chegar:

A KLM voa via Amsterdam e faz uma conexão em Jacarta. A Air France junto com a Qatar Airways tem um vôo para Doha via Paris. Há voos saindo da Austrália (Sidney) para Bali, pela Qantas.

Onde ficar:

Club Med Bali www.clubmed.com

Four Seasons Sayan www.fourseasons.com/sayan

Nusa Dua Hotel www.nusaduahotel.com

The Samaya Bali www.thesamayabali.com

Vistos – O visto para brasileiros é obtido na chegada. Custa US$ 25,00.

Melhor época para visitar – O clima é quente o ano inteiro. Entre os meses de abril e outubro é a estação de seca. Entre os meses de novembro e março chove bastante.

Fonte: Drift Turismo; Bestdest. 


Página 1 de 11