culinária francesa

Os 5 novos hotéis da Small Luxury Hotels of the World

Acho que a maioria de vocês já conhece a Small Luxury Hotels of the World, mas para quem ainda não conhece, segue um breve resumo:

A marca SLH representa um portfólio com pequenos hotéis de luxo independentes no mundo.

São mais de 500 opções de hospedagem dentre hotéis boutiques, hotéis design, casas de campo, resorts e até ilhas particulares.

Os hotéis passam por um controle rígido de aprovação e só os melhores são aceitos pela marca. Quem sai ganhando é o hóspede, que recebe qualidade em atendimento e as melhores experiências em serviço.

Esse mês a marca lançou cinco novos hotéis, três hotéis boutique e dois voltados à natureza:

 

Córsega – Le Domaine Misincu

O Le Domaine Misincu é o único hotel boutique de luxo na região de Cabo Corso, a parte mais preservada da ilha de Córsega. A área mistura parques naturais e jardins com o estilo tradicional, oferecendo uma estadia elegante e rústica.

 

Roma (Itália) – Margutta 19

Esse é um hotel boutique romano e fica na “rua dos artistas”, onde Picasso morou. Tem abertura prevista para julho deste ano e oferecerá aos hóspedes um restaurante com receitas tradicionais da família dos proprietários, além de suítes bem decoradas e terraço.

 

São Lourenço do Barrocal (Portugal) – Monsaraz

Uma propriedade familiar de 200 anos mistura o contemporâneo ao vintage, com jardins, laranjal e piscina. O diferencial é que oferecem aos hóspedes um jantar inspirado na fazenda e com sabores clássicos. São 40 quartos, suítes ou casas de campo que dão acesso ao spa da marca austríaca orgânica Susanne Kaufmann.

 

Puerto Vallarta (México) – Casa Velas

Aquele tipo de hotel exclusivo para adultos.  A propriedade fica em meio a flora tropical, com 80 suítes de luxo inspiradas no design mexicano tradicional. Pertinho da praia, a acomodação oferece tratamentos com base na sabedoria antiga e com ingredientes locais. Imperdível!

 

Izu (Japão) – ABBA Resorts Izu

Hotel boutique pequeno, com apenas 30 quartos (cada um, com banho ao ar livre de águas minerais quentes), restaurante com pratos franceses e japoneses e spa, todos no estilo ryokan. Sem deixar o luxo de lado, mistura-se a floresta com um jardim de formações de lava e vegetação própria do local.

 

Difícil escolher o próximo destino de viagem…

 

 

 

0 comment

Os 10 melhores brunches de Londres

 

Na minha última temporada em Londres, escolhi tomar um bom café da manhã, todos dias.

Sou daquelas apaixonada por café da manhã de hotel e sempre que posso experimento os mais variados tipos.

Lembro de ter escutado falar sobre brunch ainda na adolescência e fiquei vidrada para conhecer e entender o que era. E descobri ser mistura perfeita, além do fato de poder acordar um pouco mais tarde e esticar esse momento tão bom.

Brunch é a refeição entre o café da manhã e o almoço, e uma substitui a outra. A palavra Brunch é a junção de café da manhã (breakfast) e almoço (lunch).

Acho que o ritual do Brunch é perfeito para qualquer ocasião, de preferência nos fins de semana, onde temos mais tempo para as refeições. Combina muito com o verão, quando servido com espumante gelado. Mas tambem aposto no inverno, com caldos e sopas deliciosas. É aquele momento de relaxar, colocar o papo em dia, contar como foi a semana e desfrutar o melhor da refeição.

Em Londres, aos domingos, o brunch vira “Sunday roast”, uma referência ao assado especial do dia, uma tradição britânica!

Por isso tratei de conhecer os melhores brunches de Londres e aqui vão as sugestões:

 

 

  • Balthazar – Convent Garden

Sou muito fã do restaurante de NY e quando descobri o brunch no de Londres, corri para conhecer. Os pratos são parecidos, mas no de Londres a oferta de crepes e panquecas é maior. Tem para todos os gostos: do crepe ao hambúrguer (com fritas, claro!). Além dos doces, servem os melhores ovos Benedict da cidade. Caso queira uma refeição mais completa é só esperar pelo divino spaghetti com lagosta. Entre as bebidas temos espumantes geladíssimos e o famoso bloody mary da casa. Enjoy!

 

 

  • Cecconi’s – Mayfair

Famoso pela culinária italiana, eles servem um brunch a moda da casa. O lugar é lindo, pertinho da Bond street e servem um brunch delicioso com os melhores tipos de prosecco. Se você quer um lugar descontraído e divertido, Cecconi’s é o lugar!

 

 

  • Orangery – Kesington Gardens

Dizem que tem uma das melhores cartas de chá de Londres. Como adoro chá, arrisquei e não me arrependi. Um lugar super charmoso, uma verdadeira casa de chá. Tem todos os sabores do mundo! Experimentei um de limão siciliano (perfeito) e um chá preto, ambos maravilhosos. Para quem prefere algo mais heavy, a carta de vinho também faz bonito. Servem pães, bolos, tortas, sanduichinhos (dos mais variados), docinhos, scones e muitos mais. Se você também é louco por chás, vale muito conhecer!

 

 

  • The Breakfast Club – Islignton

Um lugar super descolado e diferente para um brunch. Fica perto da Upper Street e serve os pratos mais pedidos num brunch: panquecas, ovos Benedict, sanduíche de salmão, scones, tortas, chás e espumantes. Tudo isso a um preço bem acessível. Não se assuste com as filas na porta, vale a pena esperar um pouquinho!

 

 

  • 34 Restaurant – Mayfair

Se você é fã de ovos, então esse é o lugar certo. Eles servem ovos com uma infinidade de recheios: peixe, lagosta, camarão, caranguejo, salmão defumado, aspargos, linguiça e muito mais. Além dos clássicos: panquecas, massas, saladas, sanduichinhos, scones e doces. No domingo o Sunday roast é caprichado com um assado com todos os acompanhamentos possíveis!

 

 

  • Duck & Waffle – Heron Tower

Esse vale a pena pelos dois pratos mais pedidos da casa! O primeiro leva o nome do restaurant: Duck and Waffle! É servido um pato confit com ovos, mostarda e mel, por cima de um waffle super macio. O segundo prato é uma rabanada da casa com maçã assada, calda de caramelo quentinha e sorvete de canela – deliciosa!

O restaurante tem uma vista privilegiada, fica no último andar da Heron Tower em The City. Não deixem de ir!

 

 

  • Riding House Café – Fitzrovia

O Riding House é uma all-day brasserie (daquelas que não fecham entre os horário das refeições) e servem tanto o brunch como o tradicional café da manhã ingles (English breakfast)

Tem varias opções de ovos pochê, mil recheios de panquecas e vários sabores de chá. Eles servem também no estilo bar, com pequenos pratos (estilo tapas) para dividir. O preço é otimo e o lugar é super bem decorado.

 

 

  • Granger & Co. – Notting Hill

Apesar da fila nos fins de semana, o Granger vale a espera. O restaurante é de um chef australiano (Bill Granger) e é um dos lugares mais legais que fui dessa vez. Servem as melhores panquecas e os ovos mexidos são perfeitos, leves e saborosos.

Inclusive já foi eleitos um dos melhores ovos mexidos de Londres. As panquecas doces também fazem muito sucesso. Soma-se a isso tudo o fato do restaurant ficar num dos bairros mais charmosos do mundo! E depois de um belo café, que tal dar uma volta por Portobello road? Fica bem pertinho e vale como programa do dia!

 

 

  • The Wolseley – Mayfair

Outra boa sugestão é o brunch do The Wolseley. Só a decoracão já valeria a visita, mas a comida é tão boa quanto. A decoração nos lembra aqueles cafés de Paris, com janelas enormes e muita luz natural.

O brunch serve os famosos ovos pochê (com vários recheios), batatas, doces, brioches, chás e um delicioso chocolate quente. Por ser um lugar badalado, sugiro que façam reserva antes – a fila é longa.

 

 

  • The  Lanesborough – Knightsbridge

Esse superou todas as expectativas! Fica no salão de chá do The Lanesborough Hotel – um lugar lindo, super aconchegante, com atendimento impecável. Servem os scones mais fofinhos da cidade e tem uma pâtisserie de fazer inveja: docinhos, tortas, brioches, sanduíches saborosos, geléias artesanais e chás bem diferentes.

Não é a toa que foi o vencedor do The Tea Council Award of Excellence!

 

 

Gostaram das dicas? Deixem outras sugestões!

 

 

0 comment

Le Soufflé – Paris

Souffle house (1 de 1)

 

Sabem aqueles restaurantes pequenos, super concorridos e com fila na porta?

Então, o famoso Le Soufflé é a assim. Em 2014 ganhou 4 prêmios de gastronomia e promete não parar por aí. Em 2015 mais dois sabores entram no cardápio. Mas ainda é surpresa!

Se vale a pena? Muito! Principalmente se você é fã desse prato delicioso. O menu com 13 sabores salgados e 14 doces, torna difícil nossa escolha, mas conseguimos experimentar 5 deles. Todos maravilhosos.

A dica é pedir o de queijo (tradicionalíssimo, leve e saboroso), depois escolher mais um salgado diferente e finalizar com o de chocolate.

Existem outros pratos no cardápio, inclusive a sopa de cebola típica francesa. Mas resistimos e ficamos só no suflê mesmo.

 

Souffle (3 de 6)

 

Souffle (5 de 6)

 

Souffle1 (2 de 6)

 

Para evitar frustrações, sugiro fazer reserva com antecedência ou chegar bem cedo. Apesar disso, vale muito a pena experimentar!

Le Soufflé

36 rue Mont Thabor
75001 Paris

Tel: 01 42 60 27 19

Email: restaurant.lesouffle@gmail.com

1 Comment

12 lugares para se apaixonar na França

passport-france

 

Não importa quantas vezes você já foi ou se nunca esteve lá.

Por tudo que lemos, ouvimos e assistimos por aí, conhecer o país mais charmoso do mundo, passou a ser sonho de consumo.

Quem já morou lá afirma que não há lugar no mundo mais romântico para viver! É bem provável que nunca acabe a quantidade de lugares lindos para conhecer nesse país, uma vez que cada lugar que visitamos parece outro quando voltamos ou conversamos sobre.

Passar 30 dias na França parece pouco tempo diante de tanta beleza, cultura e historia para conhecer.

A lista abaixo foi elaborada pelo site Hostel Bookers, especializado em hostel e hospedagem mais barata para quem quer ou pode ficar muito tempo descobrindo um só país.

Se você esta de malas prontas para conhecer a França, nao deixe de espiar essa listinha! Voilà


1) Gorges du Verdon

Imagine um rio de águas turquesas atravessando um gigante cânion, rodeado de imponentes falésias de calcário que sediam, em seu topo, campos de lavanda com visual cor de púrpura e suaves aromas. Ok, pode parar de sonhar acordado. Tudo isso e mais fazem do Gorges du Verdon, nos Alpes de Haute-Provence (sudeste da França), um dos mais belos parques regionais franceses.

gorges

 

 

2) Monte Saint-Michel

Icônica paisagem da França, a pequena aldeia de Mont-Saint-Michel fica no topo de uma ilha rochosa. É um dos pontos turísticos mais visitados da Franca, especialmente por causa do fantástico mosteiro classificado como Patrimônio Mundial da UNESCO. Para aproveitar melhor o local, é recomendado informar-se sobre as condições das marés: na maré baixa, pode-se caminhar do continente para a ilha, enquanto que, se as águas sobem, o caminho de areia até o Mont-Saint-Michel é coberto rapidamente.

mon-6

 

 

3) Castelos do Vale do Loire

Um banho de cultura e história da França ao longo do Rio Loire. Pelo menos 20 belos, majestosos e fascinantes “châteaux” (castelos ou palácios) merecem uma visita, além de outros tantos menores “escondidos” em estradas paralelas. Maravilhas arquitetônicas, como os castelos de Chambord, Blois, Villandry, Chenonceau e Amboise, estão à disposição dos visitantes no Vale do Loire, reconhecido como Patrimônio Mundial da UNESCO.

Franca-Vale-do-Loire

 

 

4) Falésias de Étretat

Os belos e misteriosos penhascos que formam as falésias de Étretat, na região da Alta Normandia (norte da França) formam uma das paisagens mais famosas e visitadas do país. Tamanha beleza, aliás, inspirou diversos artistas e escritores no passado – de Monet a Guy de Maupassant, ambos apaixonados pelo Porte d’Aval, o mais famoso dos três penhascos em forma de arco – os outros são Porte d’Amont e o Manneporte. Mesmo a pequena aldeia de Étretat (com cerca de 1.500 moradores) vale uma visita, com seu mercado medieval e as belas mansões e vilas antigas que compõem a inspiradora arquitetura da região.

etretat-normandia-franca

 

 

5) Palácio de Versalhes

O que foi concebido, no século 17, como um modesto pavilhão de caça para Luís XIII, tornou-se um dos mais espetaculares “châteaux” do mundo. A oeste de Paris, o Château de Versailles é parada obrigatória para quem vai à França, graças à toda pompa, luxo e ostentação de seus aposentos. O prédio é espetacular, mas são os excepcionais jardins que ganham destaque especial. Criado por Le Nôtre, contém espaços como o Grand Canal, a Orangerie, o lago da Suíça, a Fonte de Netuno, a fazenda de Maria Antonieta, o Grand Trianon e o Petit Trianon, um mais lindo que o outro, e onde se podem gastar horas e até dias admirando.

versailles_ticket

 

 

6) Cidadela medieval de Carcassonne

A pequena cidade de Carcassonne, a 90km de Toulouse, existe desde o século 1 a.C., então uma cidade romana. Foi transformada em uma fortaleza no século 9 para defender-se contra os espanhóis. Seu espetacular conjunto arquitetônico medieval, cercado por 59 torres e barbacãs, está  inscrito como Patrimônio Mundial da UNESCO. Os destaques são a magnífica Basílica de St. Nazaire (São Nazário) e o Château Comtal (Castelo dos Condes). Foi renovada no século 19, e depois passou a receber visitantes. À noite, os muros da fortaleza iluminam-se e ficam mais belos, dando à cidade um charme único.

Carcassonne-vignes

 

 

7) Ilha de Ré

Na costa oeste da França, uma pequena ilha ligada por uma ponte à cidade de La Rochelle, virou um famoso resort de férias, atraindo celebridades como Johnny Depp e a Princesa Caroline de Mônaco. O lugar é mesmo um charme só, com ruas de pedras, boutiques, restaurantes, belas praias e um porto (La Flotte-en-Ré) repleto de simpáticos cafés e bistrôs. Destaque para Saint-Martin-de-Ré, a aldeia principal da ilha e seu centro administrativo, com seus fortes tombados como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

st-martin-de-re-ile-de-re

 

 

8) Reserva Natural de Camargue

Localizado entre a terra e o mar Mediterrâneo, em Bouches du Rhône, no sul do país, o Parque Regional de Camargue é uma região de rara beleza natural. Trata-se de uma zona úmida de importância internacional, com a maior população de flamingos da Europa. Cavalos selvagens e touros negros que passeiam pelos campos também são marca registrada de Camargue. O labirinto de canais, lagoas, dunas e canaviais é um paraíso para os ornitólogos e amantes da natureza em geral, que podem explorar a área a pé, de bicicleta ou a cavalo.

DSC_0698

 

 

9) Vulcões de Auvergne

Bem-vindo à terra dos vulcões adormecidos, local dominado por montanhas e planaltos, Auvergne (ou Auvérnia), bem no centro da França, é daquelas regiões que desfrutam de uma paisagem única. Lá está o Parque Natural Regional dos Vulcões de Auvergne, o maior do gênero na Europa. O parque é lar de quatro maciços vulcânicos. Os vulcões mais jovens da região (cerca de 8.000 anos) formam a famosa Chaîne des Puys – destaque para o impressionante Puy de Dome. Tem ainda o parque temático Vulcania, que conta tudo sobre os vulcões e outros fenômenos naturais da Terra.

72cab7315b_3

 

 

10) Marais Poitevin

O apelido já diz tudo: a “Veneza verde”. São muitos de canais de água verde, numa área de pântano, espalhados pelas regiões de Pays de la Loire e Poitou-Charentes. A cor verde é característica dos vegetais de álamos, salgueiros e caniços que dão ao Marais Poitevin uma cara única, aliada às vastas fauna e flora locais. É um verdadeiro refúgio para relaxar enquanto se passeia de barco pelos belos canais – há diversos piers para aluguel das pequenas embarcações, conduzidas pelos “gondoleiros”.

Le paradis, marais poitevin

 

 

11) Porto de Honfleur

A pequena cidade portuária de Calvados, na Normandia, tem charme próprio e atrações variadas – a bela Igreja de Sainte-Catherine, com sua arquitetura peculiar em madeira; os museus e a forte expressão artística, com sua escola de arte tendo contribuído para o surgimento do movimento impressionista (nomes como Monet, Courbet e Boudin passaram por lá), etc.. Mas é seu porto que atrai mais visitantes: o “Le Vieux Bassin”, lembra Amsterdam, com suas casas estreitas e coloridas e telhados de ardósia, e é um convite ao romantismo. Um jantar no terraço de um bistrô desfrutando os tradicionais mexilhões da região ficará pra sempre na memória!

Porto_di_Honfleur

 

 

12) Paris e seus monumentos

Como deixar a capital de fora da lista? Ímpossível. Paris respira arte, cultura, história, arquitetura, tradição, romance e beleza. Milhares de monumentos fazem a festa de qualquer visitante: do Museu do Louvre – uma antiga residência real, com sua pirâmide de vidro no pátio – às simbólicas Catedral de Notre-Dame e a Sacré-Coeur,  ao sempre imponente Panteão. Se a Torre Eiffel é o símbolo máximo de Paris, é no bairro de Montmartre que um café no fim de tarde terá um gostinho especial. Termine com um passeio noturno pela Pont des Arts, e irá entender porque Paris é uma das cidades mais visitadas do mundo!

Torre-Eiffel-Autumn-900x1600

 

 

3 Comments

St. Barths

O nome é uma abreviação. Oficialmente, St. Barth’s chama-se Saint-Barthélemy.

A ilha também é pequena, são 32 praias fechadas, cercando uma ilha árida. Mas, nesse lugar — francês até a última gota de perfume —, cabe todo o requinte do planeta.

Basta chegar ao porto de Gustavia (a única cidade de St. Barth´s) e observar iates de cinco andares. A ilha não ostenta palacetes, dizem os nativos que seria um crime contra a elegância.

Já tínhamos escutado falar que St. Barth’s ou ainda St. Barts não atrai só magnatas com casas de veraneio. Hoje, também tem hotéis pequenos e exclusivos, como o nome e o destino da ilha. Para muitos, tornou-se a ilha mais exclusiva do Caribe.

O ponto ideal para admirar a enseada do porto chama-se Carl Gustaf. Este também é o nome do hotel erguido numa encosta, na altura exata para ver o pôr-do-sol no terraço.

Ao ar livre, no próprio terraço funciona um piano-bar. Se puderem, jantem no restaurante do hotel. A culinária é o fino do fino, pratos divinos e serviço exclusivo. Caso sua conta corrente seja ainda mais polpuda, hospede-se em um dos 12 bangalôs.

Todos têm piscina privativa na encosta, com vista para um conto de fadas. Os casamentos a tardinha são tão românticos que até quem já casou numa praia, fica com vontade de um revival. É lindo!

Se vocês são o tipo de casal que se interessa por culinária, estão no lugar certo. A cozinha é francesa. Longe de serem pratos servidos com porções pequenas, aqui é tudo muito bem servido e com requinte. E ninguém chega a reclamar desse fato, claro.

Mas a culinária local não se resume a foie gras, coq au vin e demais clássicos.

Minha dica é entrar no MAYA’S ou se acomodar no terraço à beira-mar do restaurante. É imperdível. A ilha também apresenta a cozinha asiática no Eddy’s e thai-japonesa no Baz.

Come-se bem em St. Barts. Muitíssimo bem.

Quem está a procura de sossego e bom serviço, optou pelo lugar certo.

Os hotéis estão muito bem localizados e contam com serviço exclusivo para casais em lua de mel. A maioria fica na Baie Saint-Jean.

São duas praias divididas por um acidente geográfico de nome emblemático: a Pedra do Eden.

Ali brilham as areias mais visitadas da ilha, sem ofender o sossego. Lá tem restaurantes e barzinhos na medida exata — como quase tudo em St. Barts. Estão a passos da sua comodidade, mas primam pela discrição. E sem música alta, évidemment.

Das 32 praias de St. Barts, apenas uma não tem acesso fácil. Quanto às outras, basta estacionar o carro.

E obviamente a praia que exige maior esforço para ser aproveitada também é considerada a mais bonita. A praia é a Colombier.

Tem areias imaculadas, rochas enormes e mar transparente. Pegue uma das diversas trilhas de 30 minutos que levam a esse lugar espetacular. Vale a visita. Mas para quem prefere a comodidade, barcos zarpam diretamente para Colombier, a partir do porto de Gustavia.

Há praias para aproveitar o sol em pontos mais isolados. Tanto ao sul quanto no norte. Ao sul, estão Lorient, Marigot e Grand Cul de Sac. Ao norte Grand Saline e Gouverneur. Para chegar a Gouverneur, siga em direção a Lurin. A estrada não é lá essas coisas, mas a praia compensa – com palmeiras e a visão das ilhas mais próximas.

Uma lenda conta que um pirata do século 17, Montbars, o Exterminador, escondeu um tesouro, não encontrado até hoje.

Dicas:

Alugar um carro não custa uma fortuna e é imprescindível para conhecer a ilha. A moda entre os turistas mais descolados é alugar um mini-cooper.

Se quiser economizar nas refeições, basta ir a La Rôtisserie ou ao Maya’s to go. As lojas vendem queijos, vinhos, patês. Ninguém achará estranho se você fizer um piquenique. Muitos casais fazem disso uma comemoração.

O idioma francês predomina, mas nos hotéis, restaurantes e lojas, o inglês é falado pelos ilhéus.

GUIA ESPERTO

Como chegar

A forma mais rápida é via St. Maarten (está a 10 min. de voo), sendo essencial dormir na lha uma noite na ida e outra na volta. É necessário o visto americano, devido à conexão nos Estados Unidos. Também existem Ferrys que saem dos portos de St. Maarten (Oyster Pond Port) e St. Martin (Marigot Port) com tempo de percurso de 1h 30m.

Onde Comer

MAYA’S, Public, Tel: 590 590 277-573 – http://www.st-barths.com/mayas

Eddy’s, Rue Samuel Fahlberg, em Gustavia, Tel: 590 590 275-417

Baz, Porto de Gustavia, Tel: 590 590 297-409 – http://www.st-barths.com/baz/

L’Isola, Rue du Roi Oscar II – http://www.lisolastbarth.com

Restaurante do Hotel Le Sereno, Cul de Sac http://www.lesereno.com

Do Brazil, Shell Beach, Gustavia http://www.dobrazil.com

La Rôtisserie (para o pic-nic na praia), Praia de St. Jean

Maya’s to go, St. Jean – http://www.st-barths.com/mayas-to-go

Comprar

As marcas famosas estão na Carré d’Or, em Gustavia e na Villa Créole, em St. Jean.

Para curtir a noite

Yacht Club

Eden Rock    http://www.edenrock.com

Nikki Beach     http://www.nikkibeach.com/stbarths

Le Ti St-Barth

Onde ficar

Le Village St. Jean (não é pé na areia), Colline de St. Jean    http://www.villagestjeanhotel.com

Eden Rock Hotel     http://www.edenrockhotel.com

Hotel Guanahani & Spa      http://www.leguanahani.com

Anote

Aeroporto: Aeroporto Gustaf III

Capital: Gustavia

Moeda: Euro, mas o dólar também é aceito

Idioma: Francês e o inglês também é falado fluentemente

Visto: Sim, o visto americano devido à conexão nos Estados Unidos

Vacinas: Febre amarela

Eletricidade: 220V

Fuso horário: 01 hora a menos que Brasília

Melhor época para visitar: Todo o ano. De setembro a maio a média é de 24 ºC e de junho a agosto a média é de 28ºC, lembrando que em setembro e outubro existe o risco de furacões.

3 Comments